imagem-banner-reversao-vasectomia

Vasectomia é reversível? Saiba tudo sobre o procedimento

Muitas pessoas têm dúvidas, mas a Vasectomia é reversível. Também chamada de deferentectomia, é um procedimento cirúrgico de baixa complexidade que interrompe o fluxo de espermatozóides do saco escrotal até as vesículas seminais. Neste sentido, é um método contraceptivo com cerca de 99% de eficácia, escolhido por muitos homens e casais que querem evitar uma gravidez indesejada. Sendo assim, de acordo com dados do SUS (Sistema Único de Saúde), o número de vasectomias realizadas no Brasil cresceu mais de 300% entre 2001 e 2017. 

Para entender a vasectomia, é importante explicar que os gametas masculinos são produzidos nos testículos e armazenados no epidídimo, onde amadurecem e ganham mais mobilidade. Quando há estímulo sexual, eles passam pelo ducto deferente até a uretra, onde se juntam ao sêmen formado por secreções das vesículas seminais e da próstata. 

No caso da vasectomia, os ductos deferentes, que ficam logo abaixo da pele, são cortados através uma pequena incisão de cada lado da bolsa escrotal, e bloqueados com sutura. Dessa forma, os espermatozóides não serão mais ejaculados no líquido seminal.

Ou seja, após a vasectomia os gametas continuam sendo fabricados, porém ficam retidos no epidídimo, sendo absorvidos pelo organismo em cerca de 90 dias. Dessa maneira, o homem continua ejaculando, mas sem espermatozoides, o que inviabiliza a gravidez.

Vasectomia é reversível?

A vasectomia é reversível a partir do procedimento cirúrgico que visa recuperar a capacidade reprodutiva do homem vasectomizado que deseja gerar filhos. Como já vimos, na vasectomia são seccionados os canais deferentes, ductos fundamentais para a fertilidade masculina e que conduzem os espermatozoides dos testículos até as vesículas seminais.

Desta forma, na reversão da vasectomia, esses ductos são religados, permitindo novamente a passagem dos espermatozoides para que se misturem ao líquido seminal e sejam ejaculados. No entanto, vale ressaltar que este não é um procedimento com sucesso garantido. As chances de restabelecer uma boa contagem de espermatozoides no sêmen e efetivamente conseguir nova gravidez é inversamente proporcional ao tempo da cirurgia realizada. 

Como é feita a reversão da vasectomia?

A reversão da vasectomia é feita a partir de uma cirurgia minuciosa e delicada. O procedimento consiste na religação (anastomose) dos canais deferentes, que tem diâmetros muito pequenos, com décimos de milímetros. Desta forma, é preciso o uso de microscópio cirúrgico, fios e instrumentais de microcirurgia.

Nesse sentido, o médico inicia a reversão fazendo duas incisões verticais no escroto, uma de cada lado. Com a exposição do testículo e do cordão espermático, se faz uma secção no ducto deferente que possibilita analisar a secreção vinda do epidídimo. A partir dessa análise o especialista define qual a técnica cirúrgica que será utilizada para a reversão de vasectomia: a vaso-vasostomia ou a epidídimo-vasostomia.

Vaso-vasostomia

A técnica de vaso-vasostomia geralmente é usada quando a análise da secreção do epidídimo é clara, fluida, abundante e indica presença de espermatozóides. Desta forma, os indicativos sugerem que não há uma obstrução a nível do epidídimo e, portanto, a religação dos ductos nesta região tem chances de sucesso. 

Epidídimo-vasostomia

A técnica de reversão epidídimo-vasostomia é mais indicada quando a análise da secreção se mostra cremosa ou pastosa e não sugere presença de espermatozóides. Desta forma, há indicativos de uma possível obstrução mais para trás no epidídimo, ou que inviabiliza o uso da técnica vaso-vasostomia.

Reversão de vasectomia: como é a recuperação da cirurgia?

Independente da técnica escolhida para tornar a vasectomia reversível, o paciente precisa passar por um período de recuperação. Desta forma, na fase pós operatória o homem deve seguir algumas orientações:

Recuperação da cirurgia de reversão da vasectomia

Quatro semanas após as primeiras ejaculações, deve ser realizado o primeiro espermograma para análise da amostra de sêmen. Sendo assim, é muito comum que nesta primeira avaliação os espermatozóides ainda não estejam aparentes, o que pode ocorrer passados alguns meses do procedimento.

Toda vasectomia é reversível?

Sim. Na grande maiorias dos casos a reversão da vasectomia é possível. Inclusive, cerca de 5% dos pacientes vasectomizados mudam de ideia e procuram pela reversão. Nesse sentido, vale ressaltar que embora a cirurgia de vasectomia seja um procedimento reversível, a restauração da fertilidade depende de vários fatores:

  1. Tempo decorrido entre a vasectomia e a sua reversão. Quanto menor for esse intervalo de tempo, maiores as chances de recuperação da fertilidade;
  1. Técnica empregada na vasectomia: As técnicas que preservam melhor os canais deferentes, evitando lesões e ressecções extensas dos mesmos, apresentam melhores taxas de sucesso de suas reversões;
  2. Qualidade da cicatrização do paciente;
  3. Produção testicular de espermatozoides, habitualmente mantida após a vasectomia;
  4. Presença de espermatozoides no líquido do canal deferente no intraoperatório da reversão, e de seu aspecto macroscópico;
  5. Experiência e habilidade do urologista.

A vasectomia é reversível, mas pode dar errado?

Como vimos, a vasectomia é reversível, porém, como qualquer procedimento cirúrgico, pode ocorrer complicações ou até mesmo não ser bem sucedido. Desta maneira, é preciso estar atento a possíveis falhas:

Falhas precoces

É a ausência de espermatozóides nos espermogramas realizados no pós-operatório. Isto pode ocorrer devido a problemas técnicos cirúrgicos, seja na técnica escolhida em si, ou por haver uma obstrução no epidídimo não identificada durante a cirurgia.

Falhas tardias

A falha tardia na reversão da vasectomia é configurada pelo aparecimento inicial de espermatozoides nos exames, porém ocorre a diminuição da contagem ou da qualidade dos espermatozoides em resultados posteriores. Este problema pode ser causado por re-obstrução, por falha técnica ou devido à inflamação ou cicatrização exagerada.

Gravidez após a reversão de vasectomia

Normalmente, a principal motivação do homem que procura a reversão da vasectomia é recuperar sua capacidade reprodutiva, e desta forma, conseguir engravidar sua parceira de forma natural. Nesse sentido, quando o procedimento dá certo, o homem volta a ter espermatozoides no líquido seminal e passa a ter chances gerar uma gravidez (fecundação) através de relação sexual.

Porém, caso o resultado da reversão da vasectomia não tenha sido o esperado, o casal não precisa desistir do sonho de ter um filho. Existem outras alternativas, através de técnicas de Reprodução Assistida, que possibilitam ao homem ter um filho biológico. Nesse sentido, a opção é fazer a coleta de espermatozóides diretamente do testículo ou do epidídimo. Dois protocolos distintos ajudam nesse processo, sendo eles:

• TESA (testicular sperm aspiration) 

A aspiração de espermatozoides no testículo é um método simples que consiste na obtenção de espermatozoides através de aspiração percutânea (punção) do testículo. É indicado para pacientes com azoospermia obstrutiva e não obstrutiva, ou anejaculação;

• PESA (percutaneous epididymal sperm aspiration)

 A punção percutânea do epidídimo é um método simples de obtenção de espermatozoides através de aspiração percutânea do epidídimo. Éé indicado para homens vasectomizados e com azoospermia obstrutiva.

Desta forma, os gametas masculinos coletados são avaliados e podem ser usados para gerar uma gravidez através de técnicas de reprodução assistida como a Fertilização in Vitro (FIV). Para isso, a mulher também terá os óvulos coletados, após tratamento de indução através de hormônios, e a fecundação dos gametas, que ocorre em laboratório de embriologia. Quando o embrião estiver pronto, ele será transferido ao útero e a gravidez deve ocorrer normalmente.

Como vimos, a reversão da vasectomia é uma forma de restaurar a fertilidade do homem. Além disso, outro fator que pode afetar a fertilidade masculina é a diabetes. Saiba mais sobre o assunto baixando o nosso e-book gratuitamente!

diabetes e fertilidade masculina