blog-mitos-e-verdades-fertilidade-feminina

Mitos e Verdades sobre a Fertilidade feminina

Segundo estimativa da Organização Mundial de Saúde, de 60 a 80 milhões de casais no mundo são inférteis, o que significa dizer que um em cada dez casais apresenta dificuldades para gerar filhos.

Uma mulher que não tenha nenhum histórico de fatores ligados à infertilidade deve procurar um especialista, e o tempo ideal é de um ano após tentativas que não tenham sido positivas – como já mencionamos aqui no blog. No caso de já existir um fator de infertilidade conhecido, como por exemplo, ciclos menstruais irregulares ou quando a mulher estiver acima dos 35 anos, o casal deve procurar um aconselhamento especializado o quanto antes.

A fertilidade feminina é um assunto delicado e deve ser tratado de forma séria, pois envolve a divulgação de muitas informações que são verdadeiras, no entanto, existem muitas outras informações circulando que são mitos e que afastam ainda mais as mulheres da tranquilidade de engravidar sem grandes preocupações.

Neste post você vai descobrir alguns mitos e verdades sobre a fertilidade feminina.

Boa leitura!

Mulheres com ovários policísticos nunca engravidam

MITO

Por estar relacionado a problemas hormonais que interferem na ovulação, os ovários policísticos podem prejudicar a fertilidade. No entanto, ter um ultrassom com imagens sugerindo ovários policísticos (SOP), não significa que a mulher tem essa síndrome, que pode ser uma causa ovulatória de infertilidade.

De qualquer forma, mulheres que tenham sido diagnosticadas com SOP e desejam engravidar, podem receber diversos tratamentos, como por exemplo: indução da ovulação, relação sexual programada, inseminação artificial e fertilização in-vitro. Outro ponto importante a ser destacado é a importância de bons hábitos de vida, como alimentação saudável e atividade física, para manter um peso adequado e evitar a resistência à insulina.

Abortos frequentes podem mostrar algum problema no útero

VERDADE

A mulher que já sofreu abortos espontâneos com certa frequência, pode ter alguma malformação uterina, como septos, ou ainda, alterações inflamatórias/infecciosas como endometrite crônica, além de pólipos endometriais, miomas submucosos, disfunções imunológicas e trombofilias.

Para ter um diagnóstico assertivo é necessário fazer uma avaliação médica com exames adequados como: histeroscopia diagnóstica, ressonância magnética, ultrassonografia 3D, histerossonografia e exames de sangue.

Ter endometriose impede a gravidez

MITO

Durante algum tempo, a endometriose foi um impedimento para as mulheres que tentavam engravidar, pois não existia um tratamento eficaz para a patologia. No entanto, atualmente, já existem tratamentos específicos, hormonais e cirúrgicos, para fazer com que as mulheres diagnosticadas com endometriose engravidem com eficiência e segurança.

A idade é o principal fator de impedimento na fertilidade

VERDADE

Quanto mais jovem for a mulher, mais fácil será para engravidar. Isso acontece devido ao fato de que a mulher perde, continuamente, os óvulos ao longo o tempo. Além disso, eles envelhecem e perdem eficiência.

A maioria dos tratamentos para engravidar aumentam a possibilidade de gêmeos

VERDADE

A inseminação artificial apresenta uma possibilidade de gestação gemelar em torno de 10%, no caso da fertilização in-vitro, a probabilidade aumenta para 20%. Isso acontece porque, na inseminação artificial, se a mulher tiver dois ou três folículos crescendo, ela pode ovular em um deles, aumentando o número de óvulos expostos à possibilidade de fecundação pelos espermatozóides.

No caso da fertilização in-vitro, é possível controlar o número de embriões que são transferidos ao útero, sendo possível reduzir as possibilidades de gêmeos a menos de 1% quando um embrião é transferido para o útero.

A culpa da infertilidade é da mulher

MITO

Acreditar que a dificuldade de engravidar é culpa, exclusivamente, da mulher é um grande erro. Os homens também têm problemas de infertilidade. As taxas de infertilidade por causas femininas e masculinas são bastante semelhantes, cada uma com cerca de 40%. O restante dos casos correspondem a casos em que ambos têm algum fator que dificulta a gravidez.

Usar pílula anticoncepcional por muito tempo provoca infertilidade

MITO

A pílula anticoncepcional não têm impacto nas chances futuras de engravidar. Independentemente do tempo de tratamento, ao parar com o uso do medicamento, a mulher já se encontra apta para a concepção novamente. No entanto, é importante salientar que a pílula não causa infertilidade, mas pode mascarar sintomas de outros problemas previamente existentes, como uma baixa reserva ovariana ou endometriose.

Útero retrovertido dificulta a gravidez

MITO

Também conhecido como útero invertido, é uma condição natural e não caracteriza uma anormalidade. A verdade é que a posição do útero não implica infertilidade, já que os espermatozóides chegam normalmente às tubas para fertilizar os óvulos. É importante salientar que essa condição também não atrapalha os tratamentos de reprodução humana.

Quem malha demais tem dificuldade de engravidar

VERDADE

Corridas de longa distância, exercícios extenuantes e uma dieta pobre em gordura, somados à alta carga de estresse físico e emocional, podem provocar amenorréia (total ausência da menstruação). Além disso, esses fatores também reduzem a produção de estrogênio, dificultando assim a gravidez.

É possível engravidar somente com um ovário e uma trompa

VERDADE

A retirada de um dos ovários ou problemas nas trompas podem prejudicar a fertilidade da mulher, mas não, obrigatoriamente, impedem a gravidez espontânea. O mínimo necessário para a gravidez é ter um ovário e uma trompa em condições saudáveis.

Alimentos afrodisíacos aumentam a fertilidade

MITO

Ter libido alta não é sinônimo de fertilidade.. Alguns alimentos podem aumentar o desejo pela relação sexual, no entanto, não vão conseguir deixar o corpo da mulher mais fértil ou apto à fecundação.

Mesmo com tratamentos, você pode não engravidar

VERDADE

Existem alguns casos em que nem todos os diagnósticos em relação à infertilidade feminina podem ser definidos. Os tratamentos servem para ajudar, no entanto, dependendo das condições específicas de cada paciente, eles podem não apresentar os resultados desejados e demandar algumas tentativas a mais para conseguir engravidar.

Se você achou que o nosso post te ajudou a conhecer melhor os mitos e verdades mais comuns sobre a infertilidade feminina, clique aqui e conheça as melhores técnicas de medicina reprodutiva do Brasil.

O nosso compromisso maior é gerar possibilidades para a vida.