A influência do Tabagismo na fertilidade feminina

De acordo com os dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), os cigarros são responsáveis pela morte de 2 em cada três fumantes. Além disso, são diversos os prejuízos para a saúde causados pelo cigarro. 

A fumaça do cigarro também influencia negativamente na saúde de pessoas que não fumam, mas convivem com fumantes. As substâncias presentes nos cigarros provocam doenças cardíacas, respiratórias e ainda afeta a fertilidade, tanto masculina quanto feminina.

O tabaco diminui a fertilidade e, também, pode afetar os resultados de tratamentos de reprodução assistida.

Pensando nisso, elaboramos este post para que você entenda a influência do tabagismo na fertilidade.

Boa leitura!

Como o cigarro afeta a fertilidade masculina?

O consumo de tabaco diminui a produção de espermatozóides e provoca alterações no seu DNA. 

Isso significa que homens fumantes têm mais chances de produzir uma quantidade menor de espermatozoides saudáveis, com a motilidade reduzida e alterações na sua morfologia. Em alguns casos, podem ser encontradas células infecciosas no sêmen dos fumantes, ou seja, piospermia.

Além disso, os cigarros diminuem a quantidade de protamina, proteína responsável pela formação de cromossomos durante a fase da fecundação.

Outras substâncias nocivas à saúde e que provocam alterações ao DNA dos espermatozóides, são: nicotina, metais pesados, alcatrão e substâncias radioativas.

Esse conjunto de fatores diminui muito o potencial de fertilização dessas células.

Como o cigarro afeta a fertilidade feminina?

No caso feminino, o tabagismo pode afetar a fertilidade de diversas maneiras. Uma delas é a diminuição do nível de estrogênio e da reserva ovariana, que pode levar à ausência da menstruação, diminuição da taxa de ovulação e à menopausa precoce.

De acordos com os dados da OMS, uma mulher que fuma 20 cigarros (um maço por dia) tem a sua fertilidade reduzida em 43%.

O consumo de tabaco também causa uma diminuição na mobilidade do embrião nas trompas, impedindo-o de chegar ao útero. 

Além disso, já mencionamos no tópico anterior que a fumaça do cigarro possui diversas substâncias que provocam a divisão das células do embrião, inviabilizando assim a gravidez.

A fumaça do cigarro contém várias substâncias que interferem na divisão das células do embrião, podendo torná-lo inviável.

A nicotina diminui a irrigação da placenta, o que causa seu envelhecimento e descolamento, aborto ou menor crescimento do feto. Isso pode resultar em parto prematuro de bebês abaixo do peso.

Abandonar o hábito de fumar pode reverter parte desses danos, exceto os causados aos ovários e útero.

A influência do cigarro sobre a fertilidade

Para reforçar ainda mais o fato de que o tabagismo prejudica a fertilidade, preparamos uma lista com alguns dos principais efeitos causados pelo consumo de tabaco.

  • A chance de ter problemas de infertilidade é 3 vezes maior para fumantes;
  • Da totalidade de casos diagnosticados de infertilidade feminina, 14% são causados pelo tabaco;
  • Ainda no caso das mulheres fumantes, as chances de entrar na menopausa precocemente também aumentam significativamente, entre 2 a quatro anos antes da idade média;
  • O uso de cigarros também aumenta o risco de abortos espontâneos, em até 27%;
  • Fumar durante a gravidez pode prejudicar a fertilidade do bebê;
  • Filhos cujos pais são fumantes têm mais chances de ter câncer;
  • Mulheres fumantes necessitam de duas vezes mais tentativas de Fertilização in Vitro que as não fumantes;
  • Homens fumantes têm mais espermatozoides anormais que os não fumantes e a porcentagem de espermatozóides anormais está associada ao número de cigarros fumados por dia.

Outros malefícios do tabagismo

Nunca é demais lembrar mais alguns dados assustadores sobre o consumo de tabaco. Confira:

  • 23 mortes por hora no Brasil;
  • 25% das mortes causadas por doença coronariana, angina e infarto do miocárdio;
  • 45% das mortes causadas por doença coronariana na faixa etária abaixo dos 60 anos;
  • impotência sexual;
  • aneurismas arteriais;
  • úlcera do aparelho digestivo;
  • trombose;
  • tosse;
  • coloração amarela nos dentes e nos dedos;
  • 25% das doenças vasculares;
  • agravamento das alergias e da asma;
  • arterioesclerose;
  • infecções respiratórias;
  • 45% das mortes por infarto agudo do miocárdio na faixa etária abaixo de 65 anos;
  • 85% das mortes causadas por bronquite e enfisema;
  • 90% dos casos de câncer no pulmão; 
  • 30% das mortes decorrentes de outros tipos de câncer (boca, laringe, faringe, esôfago, pâncreas, rim, bexiga e colo do útero).

Efeitos na reprodução humana assistida

Como mencionamos anteriormente, o tabagismo não só prejudica a fertilidade como também afeta os tratamentos de reprodução assistida. 

De acordo com estudos recentes, as taxas de fertilidade de pacientes são menores quando um ou os dois parceiros são fumantes. Além disso, a pesquisa também aponta que a infertilidade é maior nos casos em que só o homem fuma.

Também é importante dizer que as taxas de sucesso de tratamentos de fertilização in vitro diminuem muito para fumantes.

Considerações finais

Como podemos ver ao longo do post, as consequências do tabagismo vão além da infertilidade e podem causar danos ainda mais graves à saúde dos fumantes.

Então, agora que você já sabe da influência do tabagismo na fertilidade e pretende engravidar, o ideal é que você pare de fumar o mais cedo possível.

Por fim, lembre-se que é fundamental consultar um especialista em reprodução humana para diagnosticar as causas e até obter conselhos e ajuda para abandonar o hábito nocivo de fumar.

Se você achou que o nosso post ajudou você a saber mais sobre a influência do tabagismo na fertilidade feminina, clique aqui e complemente seus conhecimentos sobre as melhores técnicas de medicina reprodutiva do Brasil.

O nosso compromisso maior é gerar possibilidades para a vida.