Fragmentação do DNA espermático: saiba tudo sobre o teste

A Fragmentação do DNA espermático pode ter uma importante implicação na fertilidade masculina. Assim, pode dificultar a chance de uma gravidez natural. 

Mas como saber se o homem apresenta esse problema? Quais as causas? Qual exame identifica esse problema? Como ele é realizado? Existe tratamento para Fragmentação do DNA espermático?

Para saber mais sobre este tema leia o texto abaixo.

O que é fragmentação do DNA espermático?

A fragmentação do DNA espermático consiste na perda da integridade da cadeia de DNA presente nos espermatozoides. Dessa forma, há uma diminuição na capacidade dos espermatozoides de fecundarem o óvulo e assim gerar um embrião.

Nesse sentido, é importante esclarecer que é normal haver uma pequena parte dos espermatozoides com DNA fragmentado. Contudo, quando um grande número de gametas apresenta essa alteração, as chances de acontecer uma gravidez naturalmente pode ser reduzida.

O que é o teste de fragmentação do DNA espermático?

O teste de fragmentação do DNA espermático é um exame específico que avalia a taxa de gametas masculinos fragmentados. Dessa forma, é uma avaliação mais profunda da qualidade do sêmen e pode complementar a avaliação convencional de um espermograma comum. 

Vale lembrar que o espermatozoide só consegue chegar até o óvulo para fecundá-lo se o seu material genético estiver íntegro. Se houver danos no DNA, mesmo que pequenos, é possível que a capacidade reprodutiva do gameta esteja comprometida. 

Portanto, o exame complementa e auxilia no diagnóstico da infertilidade, identificando alterações que podem ser responsáveis pela dificuldade de engravidar ligadas ao desenvolvimento embrionário dos embriões ou por abortos de repetição.

O que causa a fragmentação do DNA espermático?

A fragmentação do DNA espermático pode ser causada por diversos fatores que levam ao desequilíbrio do organismo, e comprometem também a qualidade dos espermatozoides. Sendo assim, além da idade, outros motivos podem contribuir para o aumento da fragmentação do DNA.

Vejas as causas mais frequentes para fazer o exame:

  • Varicocele;
  • Hipogonadismo;
  • Problemas circulatórios;
  • Infecções do trato reprodutivo;
  • Infecções sexualmente transmissíveis;
  • Dieta inadequada;
  • Tabagismo;
  • Obesidade;
  • Exposição a drogas e substâncias nocivas;
  • Câncer;
  • Quimio e radioterapias, terapias imunossupressoras;
  • Doenças autoimunes;
  • Febre alta e temperatura testicular elevada;
  • Sedentarismo;
  • Desequilíbrio entre a quantidade de radicais livres e de antioxidantes;
  • Idade avançada (acima dos 40 anos)

Leia também: Dicas para evitar a infertilidade masculina 

Quem deve realizar o teste de fragmentação do DNA espermático?

O teste deve ser feito por todos os homens que buscam realizar o sonho da paternidade, e que aparentemente enfrentam dificuldades. Nesse sentido, o teste é importante para avaliar se há infertilidade masculina, mesmo quando o resultado do espermograma é normal. 

A partir dos achados no teste é possível detalhar a investigação do fator masculino, elegendo o tratamento mais adequado para que o homem retome sua fertilidade.

Veja quando o teste é recomendado:

Como é feio o teste de fragmentação do DNA espermático?

O teste de fragmentação do DNA espermático é um exame de análise laboratorial, complementar ao espermograma simples. Dessa maneira, a coleta da amostra é feita da mesma maneira, através da masturbação em laboratórios capacitados para realizar ou encaminhar o teste.

Assim, a partir sêmen coletado, são analisados os parâmetros comuns, como volume, viscosidade do sêmen, motilidade e vitalidade dos espermatozoides, além do índice de fragmentação do DNA dos espermatozoides. 

Este processo é feito com protocolo de coloração que identifica a dispersão da cromatina espermática. Desta forma, os gametas são quantificados e analisados, e assim se consegue conhecer a porcentagem de espermatozoides com DNA alterado.

Preparação para o teste de fragmentação do DNA espermático

O teste pode ser feito por qualquer homem em idade reprodutiva. Nesse sentido, a preparação consiste na abstinência sexual ou ejaculatória de 2 a 3 dias.

Quais os resultados do teste de fragmentação do DNA espermático?

Com o teste é possível quantificar o grau de comprometimento e assim, com a ajuda de um especialista em Medicina Reprodutiva, definir o melhor tratamento para seguir. Nesse sentido, quanto maior a porcentagem de DNA fragmentado no sêmen, maior é o impacto na fertilidade do homem. 

Índices de fragmentação acima de 30% são considerados altos e podem atrasar significativamente uma gestação natural ou ainda interferir no desenvolvimento embrionário dificultando a implantação e gerando abortos.

Conheça os valores de referência:

  • < 15%: excelente integridade do DNA espermático;
  • 15 – 30%: boa integridade do DNA espermático;
  • > 30%: baixa integridade do DNA espermático.
resultados do teste de fragmentação do DNA espermático

Como melhorar a fragmentação do DNA espermático?

Felizmente, com exceção dos danos causados pela idade, alguns fatores que levam à fragmentação do DNA espermático são reversíveis ou transitórios. Nesse sentido, aqueles decorrentes do tabagismo ou de má alimentação, por exemplo, podem ter fácil correção melhorando a capacidade reprodutiva do homem.

Dessa forma, ações como utilizar suplementação com antioxidante (vitamina C e E), parar de fumar e adquirir hábitos de vida saudáveis podem melhorar os índices da fragmentação do DNA espermático. Dependendo dos fatores que causam o problema, o uso de antibióticos e anti-inflamatórios ajudam a reverter o quadro. 

Por outro lado, quando a fragmentação do DNA espermático acontece devido a varicocele, a sua correção cirúrgica (varicocelectomia), também pode recuperar a fertilidade masculina.

Fragmentação do DNA espermático e Reprodução Assistida: qual a relação?

Como o nome diz, a fragmentação do DNA espermático é a quebra no material genético dos espermatozoides, que têm efeito prejudicial na capacidade reprodutiva masculina. Desta maneira, esta situação prejudica não apenas a possibilidade de uma gravidez natural, como também os tratamentos de Reprodução Assistida. 

Ou seja, altas taxas de fragmentação podem atrapalhar os resultados do coito programado, da Inseminação Artificial, e até mesmo da Fertilização in Vitro

Portanto, dentre os principais efeitos negativos de um elevado nível de fragmentação de DNA na reprodução assistida temos:

  1. Comprometimento nas taxas de fertilização;
  2. Aumento nas taxas de aborto – mesmo após Fertilização in Vitro;
  3. Comprometimento nas taxas de implantação do embrião no útero

Por isso, em muitos casos, a indicação é a Fertilização in Vitro (FIV) usando a técnica de Injeção Intracitoplasmática de Espermatozoides (ICSI). Nesse tratamento, os espermatozoides são selecionados e injetados, um a um, dentro de cada um dos óvulos, para que ocorra a fecundação. Dessa forma, a melhora da qualidade do esperma possibilita a escolha de um gameta com maior potencial reprodutivo, incrementando as taxas de fertilização e gestação.


Um bom diagnóstico é o primeiro passo para escolher uma técnica de Reprodução Assistida. Entenda mais sobre o assunto baixando nosso e-book gratuito!

Técnicas de Reprodução Assistida: um bom diagnóstico é o primeiro passo