Exames hormonais femininos: conheça os principais tipos

Os exames hormonais femininos são fundamentais para verificar a saúde da mulher durante toda a vida. Isso porque apenas com a medição dos níveis dos hormônios presentes na circulação sanguínea é possível identificar alterações e eventuais problemas no corpo.

No texto a seguir, vamos explicar tudo sobre o assunto: quais são os hormônios femininos, para que servem, quais os exames que são solicitados para medi-los e quando devem ser feitos.

Qual a importância dos hormônios femininos para as mulheres? 

Os hormônios são substâncias produzidas pelo sistema endócrino e secretadas na corrente sanguínea atuando em diferentes partes do organismo. Nesse sentido, os principais hormônios femininos são o estrogênio e a progesterona, que são produzidos nos ovários. Desta forma, eles entram em atividade na adolescência e sofrem variações constantes durante o dia a dia da mulher.

Por esta razão o sistema hormonal feminino merece atenção em todas as fases da vida. Seja para evitar ou controlar as indesejadas espinhas durante a adolescência, quanto para amenizar os famosos calorões que antecedem a menopausa.

Veja alguns fatores que influenciam na quantidade de hormônios no organismo:

Exames hormonais femininos: quais são?

Para verificar se há algum problema na saúde da mulher, o médico solicita os exames hormonais femininos. Nesse sentido, eles são medidos através de um teste normal de sangue, no qual é possível identificar eventuais alterações em suas dosagens.

Vale lembrar que cada exame exige uma preparação específica. Por isso, é fundamental questionar o laboratório a respeito dessas informações antes de realizar a coleta. 

Confira a lista de exames hormonais que geralmente são solicitados para as mulheres:

Para que servem os exames hormonais femininos?

Como já vimos, as alterações hormonais são constantes durante todas as fases da mulher. No entanto, algumas disfunções podem ser prejudiciais se não forem observadas com cuidado. 

Por esta razão é muito importante fazer os exames hormonais femininos com regularidade para saber como andam as dosagens. Da mesma forma, estes exames são solicitados pelos médicos quando as mulheres sentem alguns sintomas específicos. Entre eles, podemos citar as irregularidades e atrasos menstruais, tensão pré-menstrual (TPM) e a diminuição da libido. Assim, alguns fatores podem ser diagnosticados, controlados e tratados.

Qual a importância de realizar exames hormonais femininos com regularidade?

Sem sombra de dúvidas, o exame de dosagem hormonal é preventivo, e desta forma é parte importante no diagnóstico de distúrbios no organismo. Nesse sentido, quando há qualquer alteração nos hormônios, é possível detectar doenças ainda em estágios iniciais. Assim, evita-se complicações e se obtém maior sucesso no tratamento.

Desta forma, variando conforme a faixa etária e com especificações diferentes, os exames hormonais femininos devem fazer parte do check-up de rotina das mulheres. 

Quais os tipos e exames hormonais femininos?

Já mencionamos que as alterações hormonais podem colocar em risco a saúde feminina, além de, muitas vezes, impedir o desenvolvimento da ovulação e da gravidez. Sendo assim, é de extrema importância consultar o ginecologista regularmente e realizar exames hormonais. Desta forma, eles podem ser solicitados em diferentes fases da vida. Confira:

Exames Hormonais Femininos na Adolescência

A adolescência é a fase de transição entre a infância e a vida adulta, por isso é marcada por muitas mudanças, dentre elas, hormonais. Nesse sentido, é comum que a primeira visita ao ginecologista aconteça com o início da menstruação. 

Assim, alguns exames hormonais são solicitados para avaliar como está o crescimento e o amadurecimento do corpo da menina/mulher. Veja quais são:

Hormônio Folículo Estimulante (FSH) e Hormônio Luteinizante (LH)

O FSH é um hormônio feminino que estimula a secreção de estrogênio, responsável pelo desenvolvimento do folículo que contém o óvulo. Nesse sentido, é regulador do crescimento, desenvolvimento, reprodução e secreção de outros hormônios sexuais durante a puberdade. Já a progesterona é estimulada pelo hormônio luteinizante (LH). Juntas, estas substâncias realizam a liberação do óvulo durante o ciclo menstrual.

Desta forma, na adolescência, é comum que distúrbios hormonais estejam relacionados a quadros de acne, e também ao aparecimento de pelos com padrão masculino no rosto e nas costas. Sendo assim, nos casos em que há esses sintomas, deve-se monitorar também a testosterona feminina. 

Exames Hormonais Femininos na Mulher Adulta

Na fase adulta, o foco dos exames hormonais passa a incluir também uma nova preocupação: o eventual surgimento de distúrbios como o diabetes e as alterações na tireoide.

Desta forma, exames ligados ao estado geral de saúde, tais como a dosagem da glicose sanguínea e da hemoglobina glicada, são solicitados. Além disso, é pedido também a dosagem de TSH, principal exame para detecção do hipertireoidismo e hipotireoidismo. Veja abaixo os sintomas quando há alterações na tireoide:

Sintomas de Hipertireoidismo (excesso de produção hormonal da glândula tireoide):

  • Perda de peso (muitas vezes, bastante intensa);
  • Insônia;
  • Suor excessivo;
  • Olhos saltados;
  • Taquicardia;
  • Hiperatividade;
  • Sintomas ligados à saúde mental, como por exemplo a ansiedade.

Sintomas de Hipotireoidismo (diminuição da produção hormonal da glândula tireoide):

  • Ganho de peso;
  • Pele ressecada;
  • Alterações no ciclo menstrual;
  • Unhas ressecadas e descamadas;
  • Cabelo ressecado;
  • Alterações cardíacas;
  • Inchaço no rosto;
  • Fraqueza e dores musculares;
  • Alterações de memória;
  • Dificuldade de concentração.

Exames Hormonais Femininos para Engravidar

As mulheres que pretendem engravidar devem ir ao médico com antecedência para fazer um check up de rotina. Nesse sentido, existem procedimentos específicos para avaliar a condição hormonal das mulheres, inclusive relacionados à fertilidade

Confira alguns exames que devem ser feitos antes de engravidar:

Hormônio da tireoide (TSH)

A dosagem de rotina do TSH é muito importante, tendo em vista que as disfunções da tireoide podem impedir a ovulação e afetar a fertilidade. Da mesma forma, o TSH também pode impactar na gravidez, causando abortos e outras complicações. Desta forma, o ideal é fazer o acompanhamento antes de uma possível gravidez.

Progesterona

A progesterona é produzida pelo corpo lúteo (localizado no ovário) e tem função de preparar o útero para a aceitação do óvulo fertilizado, sendo responsável pela manutenção da gravidez inicial. Desta forma, números insuficientes de progesterona durante esta fase podem causar infertilidade e até abortos recorrentes.

FSH (Hormônio folículo estimulante) e LH (Hormônio luteinizante)

Eles promovem a ovulação e estimulam as secreções dos hormônios sexuais pelos ovários. Enquanto o FSH age na secreção de estrogênio e no amadurecimento dos óvulos, o LH atua na liberação dos gametas femininos. Quando há alterações nesses hormônios, o processo de gravidez pode se tornar mais difícil.

Prolactina

A prolactina é responsável pelo estímulo da produção de leite materno pelas glândulas mamárias no período da gestação. Desta maneira, os níveis da prolactina normalmente são elevados em mulheres grávidas. 

No entanto, em outros casos, a hiperprolactinemia (disfunção causada pela produção elevada do hormônio) pode causar irregularidades menstruais, problemas de fertilidade e diminuição na libido.

Estrogênio

O estrogênio regula o ciclo menstrual das mulheres e promove alterações no corpo feminino desde a puberdade. Ele também promove o desenvolvimento das estruturas uterinas e dos ductos mamários. 

Desta forma, quando a gravidez ocorre, os níveis de estrogênios sobem de forma constante. Todavia, se a mulher não engravidar, os números caem e ocasionam a perda menstrual. 

Hormônio antimulleriano (AMH)

O hormônio antimulleriano é produzido pelas células da granulosa de folículos antrais e pré-antrais no ovário e pode ser dosado no sangue. Como ele é produzido pelos folículos em crescimento ou com potencial de crescimento, é um marcador de reserva ovariana.

Ou seja, representa a quantidade e qualidade dos folículos ainda existentes nos ovários. Sabe-se que os níveis de AMH decrescem com a idade da mulher, chegando próximo a zero na menopausa.

Exames Hormonais Femininos na Gravidez

Durante a gravidez a diminuição dos hormônios, que costuma acontecer no fim do ciclo menstrual, não ocorre e por isso não há a menstruação.

Assim, é produzido o hormônio HCG, que estimula os ovários a liberar níveis mais altos de estrogênio e progesterona, necessários para manter a gravidez. Por essa razão, a maior parte dos testes de gravidez consiste na detecção deste hormônio na urina. 

Exames Hormonais Femininos na Maturidade (menopausa)

A partir dos 45 anos, o corpo feminino começa a se preparar para mais uma mudança: a chegada do climatério, período de transição da fertilidade para o fim da capacidade reprodutiva. Nesse sentido, há queda gradativa na produção do estrogênio, que é o principal hormônio feminino. 

Desta forma, o ciclo menstrual vai se tornando cada vez mais irregular até cessar por completo, finalizando-se com a última menstruação da mulher, conhecida como menopausa.

Assim, a redução do estrogênio causa um impacto profundo no organismo feminino e pode provocar diversos sintomas, que variam de pessoa para pessoa. 

Confira os sintomas da menopausa:

  • Ondas súbitas de calor;
  • Suores noturnos;
  • Ressecamento vaginal;
  • Perda da libido;
  • Dor ou desconforto durante o ato sexual;
  • Fadiga;
  • Palpitações;
  • Dores de cabeça;
  • Insônia;
  • Alterações corporais;
  • Sintomas ligados a alterações de humor, como ansiedade, irritação e depressão.

Portanto, nesta fase, os exames hormonais são indicados para verificação de dosagem do Estradiol, Hormônio Folículo Estimulante (FSH) e do Hormônio Luteinizante (LH), para comprovar o climatério. Vale lembrar ainda que com a queda do estrogênio, existe uma possibilidade de desregular os níveis de colesterol. Desta forma, neste período também são pedidos as dosagens deste exame.

Já com a chegada da menopausa, há a diminuição da massa óssea, tornando os ossos mais frágeis e favorecendo o surgimento de doenças como a osteoporose. Assim, são solicitados também exames de sangue que medem as dosagens de cálcio, vitamina D e hormônio paratireoidiano (PTH). Para acompanhar esta bateria de testes, o médico também pede a densitometria óssea, exame físico semelhante a um raio X.

Exames hormonais femininos: quando fazer?

Já vimos que realizar os exames hormonais femininos de rotina é fundamental em todas as idades, desde a adolescência até a menopausa. Isto porque podem ocorrer alterações a qualquer momento e, muitas vezes, passam despercebidas pelas mulheres. 

No entanto, existem alguns sintomas que podem indicar distúrbios hormonais. Confira quais são:

  • Alterações no ciclo menstrual;
  • Infertilidade;
  • Síndrome pré-menstrual;
  • Perda ou diminuição da libido;
  • Aumento de peso;
  • Retenção de líquidos;
  • Fadiga, cansaço excessivo, falta de energia;
  • Ansiedade e depressão;
  • Irritabilidade e alteração de humor;
  • Distúrbios do sono;
  • Secura vaginal;
  • Aumento de pelos;
  • Avidez por doces e carboidratos;
  • Cólicas menstruais;
  • TPM;
  • Climatério;
  • Ondas de calor;
  • Fogachos;
  • Menopausa. 

Há uma série de exames específicos para mulheres que desejam realizar a Fertilização In Vitro. Saiba quais são baixando o nosso checklist gratuito!

Checklist Exames para FIV confira checklist completo