Quem tem endométrio fino pode engravidar? Veja a resposta dessa e outras dúvidas

Ter o endométrio fino pode dificultar a gravidez, pois o embrião irá se desenvolver a partir dos substratos desta camada interna do útero, considerada a mais importante para a reprodução. Nesse sentido, quanto mais fino for o endométrio, mais dificuldade a paciente vai ter para engravidar.

No texto a seguir vamos esclarecer as principais dúvidas sobre o assunto, além de mostrar os tratamentos possíveis para restaurar a fertilidade da mulher.

O que significa endométrio fino?

O endométrio é o tecido que reveste a parede interna do útero e tem função primordial na implantação e nutrição do embrião nas primeiras semanas de gestação. Além disso, o endométrio também é importante para a formação da placenta que irá levar oxigênio e todos os nutrientes necessários para o bebê.

Sendo assim, se o endométrio não se desenvolve adequadamente e sua espessura não aumenta o suficiente para receber o embrião (ou seja, menor do que 7 mm), é diagnosticado como endométrio fino. Nesse sentido, quanto mais fina for esta camada, mais comprometida fica implantação do embrião e a gravidez não consegue se sustentar provocando um aborto.

Qual o tamanho normal do endométrio?

Um endométrio com espessura adequada deve ter, no mínimo 7 milímetros e, no máximo, de 12 a 14 milímetros (durante a ovulação). Desta forma, essas condições melhoram a receptividade do endométrio ao embrião, aumentando a capacidade de engravidar.

É importante esclarecer que cerca de 4 dias após a ovulação o endométrio atinge sua maior espessura. Todavia, aproximadamente 6 dias depois da fecundação ele se encontra na condição ideal para receber o óvulo fecundado.

Sendo assim, a única forma de descobrir se o endométrio é fino ou normal é através do ultrassom transvaginal, realizado durante o período fértil. Além disso, a histeroscopia também pode auxiliar nesta avaliação.

Por que o endométrio afina?

A alteração na espessura do endométrio pode ser causada por uma série de fatores. Entre eles estão problemas anatômicos, uso de medicamentos, cirurgias, radioterapia, curetagem, causas inflamatórias, entre outros. 

Confira abaixo as principais situações que afinam o endométrio:

  • Baixos níveis de estrogênio;
  •  Fluxo sanguíneo local inadequado;
  • Presença de fibróides uterinas;
  • Doença inflamatória pélvica;
  • Distúrbios menstruais que provocam amenorreia;
  • Lesões no útero devido à curetagem;
  • Dilatação uterina devido a partos prévios;
  • Cirurgias uterinas para retirada de miomas;
  • Adesões intrauterinas (síndrome de Asherman);
  • Uso excessivo de clomifeno;
  • Tecido endometrial de baixa qualidade;
  • Radioterapia pélvica;
  • Uso prolongado de pílula anticoncepcional.

Quem toma anticoncepcional tem endométrio fino?

Muitas mulheres que utilizam anticoncepcionais orais ou injetáveis por longos períodos apresentam o endométrio fino logo após pararem com a contracepção.

Isto ocorre pois os contraceptivos mantêm uma concentração contínua e baixa de hormônios. Sendo assim, os ovários “desacostumam” a gerar estímulos que regulam a espessura do endométrio.

Desta forma, para que o endométrio se recupere, há um período mínimo de três meses. Por isso, antes de planejar uma gravidez, é importante que a mulher fique, pelo menos, 90 dias sem o uso deste tipo de anticoncepcional.

Leia também: Tudo sobre a pílula anticoncepcional e a fertilidade da mulher 

Quais os sintomas de endométrio fino?

O endométrio fino pode apresentar sintomas inespecíficos comuns a diversas outras patologias, ou mesmo, completamente assintomático, o que pode atrasar o diagnóstico. 

No entanto, as queixas mais comuns das pacientes são:

  • Problemas de fertilidade, com histórico de abortos espontâneos recorrentes;
  • Ciclo menstrual irregular ou anormal;
  • Fluxo sanguíneo reduzido ou ausente durante a menstruação;
  • Menstruações dolorosas.

Quem tem endométrio fino não menstrua?

Quem tem endométrio fino pode menstruar sim. Sabemos que quando não há fecundação ocorre a menstruação, que consiste na descamação do endométrio. Sendo assim, endométrios com menos de 7 mm de espessura, até mesmo de 6, 5 ou 4mm, também podem descamar. Isso vai depender de quão fina está a camada interna do útero.

Além disso, os especialistas alertam que os principais fatores para não ocorrer a menstruação estão ligados às alterações hormonais e as demais causas que geram o endométrio fino

Quem tem endométrio fino pode engravidar?

Esta é a grande preocupação dos médicos em relação ao endométrio fino. Nesse sentido, estudos científicos dizem que quanto mais fino é o endométrio, maior a dificuldade para engravidar.

No entanto, em muitos casos, quem tem endométrio fino pode engravidar sim! Embora este seja um problema que interfira na fertilidade da mulher, ainda assim é possível que ela consiga ter um filho biológico. Mas para isso, é preciso fazer um tratamento para aumentar a espessura endometrial.

Como engrossar o endométrio fino? 

Existem várias formas de tratamento para engrossar o endométrio permitindo que a gestação ocorra de forma natural ou através da Reprodução Assistida. Tudo vai depender da causa do problema.

Nesse sentido, na maioria das situações, o uso de medicamentos hormonais como estradiol e progesterona, ou remédios que aumentem o fluxo do sangue, são suficientes para induzir a proliferação endometrial. Dessa forma, é possível que a camada volte à sua espessura normal e se mantenha assim até a formação da placenta.

Porém, nos últimos anos também vêm surgindo novas possibilidades dentro da Reprodução Assistida, como a utilização do plasma rico em plaquetas (PRP). Neste procedimento, é coletado o sangue da própria paciente, do qual se extrai este composto que é infundido dentro do útero. Assim, as plaquetas liberam fatores regenerativos que melhoram a vascularização e atraem células reparadoras do sistema imune.

Mas, se a causa do problema for a Síndrome de Asherman, talvez seja necessário realizar pequenas intervenções cirúrgicas por histeroscopia para retirar as aderências do tecido.

Formas alternativas para aumentar o endométrio

Não existe comprovação científica de que formas alternativas possam aumentar o endométrio. No entanto, acredita-se que o consumo do chá de inhame tenha essa capacidade. Isso porque o alimento pode aumentar os níveis de progesterona no sangue, favorecendo não só a ovulação, mas também promovendo o aumento do endométrio.

Além disso, a acupuntura também é indicada para o tratamento do endométrio fino. Para entender esta relação é preciso saber que um dos fatores mais estudados no processo de espessamento endometrial, é o aumento do fluxo de sangue no útero. Nesse sentido, quanto maior o fluxo de sangue local, maior a chance de apresentar um endométrio mais receptivo.

Além do mais, sabe-se que a acupuntura eleva o fluxo sanguíneo para a artéria uterina e ovariana. Isso aumenta o suporte de oxigênio, os agentes anti-oxidantes e os nutrientes para os órgãos da pelve.

Engravidei com endométrio fino. E agora?

Segundo os especialistas, a maior preocupação com o endométrio fino é antes de engravidar. Como já vimos, o endométrio fino pode dificultar a gravidez, pois é nesta camada que o embrião tenta se fixar para se desenvolver.

Nesse sentido, depois que o embrião implanta e tem os substratos para se desenvolver, não há maiores problemas em relação ao endométrio fino. 

No entanto, em raras situações existe maior risco para a implantação anormal da placenta. Se isto ocorrer, pode resultar na necessidade de extração manual da placenta após o parto, além de desencadear pré-eclâmpsia na paciente.

Mesmo com endometriose é possível realizar o sonho da gravidez. Saiba mais sobre o assunto baixando gratuitamente o nosso e-book!

banner ebook endometriose e gravidez