DuoStim: entenda quando o seu uso é recomendado

A técnica de DuoStim faz parte de uma estratégia para potencializar as taxas de sucesso de gravidez em alguns tratamentos de reprodução assistida. 

Mas você sabe para quem é indicado o DuoStim? Como funciona? Quais suas vantagens e desvantagens? 

O texto a seguir vai esclarecer estas e outras dúvidas sobre este processo que tem ajudado muitas pessoas a realizar o sonho de ter um filho.

DuoStim o que é?

O DuoStim é um protocolo de dupla estimulação ovariana realizado durante o mesmo ciclo menstrual da mulher.

Desta forma, consiste em dois tratamentos de estímulo ovulatório feitos dentro de um único ciclo feminino, possibilitando assim duas coletas de óvulos no mesmo período. 

Em outras palavras, no DuoStim acontecem duas induções ovarianas, sendo a primeira na fase folicular, e a segunda durante a fase lútea (última fase do ciclo ovulatório). Desta forma, os folículos que não estiverem prontos para a maturação da primeira vez podem amadurecer e serem coletados na segunda tentativa. 

Nesse sentido, o DuoStim é utilizado em reprodução assistida com objetivo de aumentar o número de gametas captados em um menor espaço de tempo. Com isto, a expectativa é possibilitar a formação de mais embriões em laboratórios num menor espaço de tempo, melhorando assim as chances de gravidez. Além disso, as mulheres que buscam preservar sua fertilidade terão mais óvulos disponíveis por ciclo para a criopreservação, quando comparado ao protocolo convencional.

Para quem é indicado o DuoStim?

Como o nome já diz, o DuoStim (Double Stimulation) significa “duas estimulações” e serve para possibilitar duas aspirações foliculares no mesmo ciclo menstrual. 

Nesse sentido, a técnica foi inicialmente criada para mulheres que necessitam de tratamentos de quimioterapia e não têm tempo a perder. Isto porque a estimulação ovariana tradicional para a Fertilização In Vitro (FIV) começa nos primeiros dias da menstruação (fase folicular precoce) e leva cerca de 10 dias. 

Após essa etapa, pelo 12º dia, é feita a coleta dos óvulos que são fecundados em laboratório formando embriões que serão posteriormente transferidos ao útero ou criopreservados. Além disso, os óvulos captados também podem ser diretamente congelados para preservar a fertilidade feminina.

Porém, mulheres com câncer não podem ficar esperando a menstruação chegar para começar todo o processo. Por isso, a estimulação ovariana é iniciada em qualquer fase do ciclo menstrual, e assim que possível, de 2 a 5 dias após a primeira coleta, é feita uma segunda estimulação. Desta forma, o objetivo é obter o maior número de óvulos possível antes do tratamento oncológico. 

Além disso, percebeu-se que o DuoStim pode beneficiar também outras mulheres que apresentam dificuldade de engravidar ou que buscam preservar sua fertilidade. Assim, a técnica passou a ser indicada para pessoas com idade reprodutiva avançada, baixa reserva ovariana, ou para as chamadas “más respondedoras”. 

Nesse sentido, são mulheres que mesmo usando altas doses de medicações não apresentam uma boa resposta ovariana, produzindo até 5 óvulos maduros. Nesses casos, muitas vezes é necessário realizar novo ciclo de estimulação e coleta.

DuoStim como funciona?

No DuoStim a mulher passa pelo mesmo processo de indução ovariana realizada para um tratamento de Fertilização In Vitro. Desta forma, a estimulação da ovulação é realizada através do uso de hormônios semelhantes aos produzidos no ciclo natural, porém em maiores doses. As medicações podem ser tomadas em casa, ou se a paciente preferir, administradas na clínica de Reprodução Assistida. 

Nesse sentido, o controle da ovulação também é feito através de ultrassonografia para verificar se os folículos atingiram o número suficiente e tamanho adequados. Assim, no momento certo, é feita a indução da ovulação com hCG para induzir a rotura dos folículos e o amadurecimento dos óvulos que serão captados em aspiração folicular. 

Na sequência, entre o 2º e o 5º dia após a primeira coleta dos óvulos, a paciente realiza nova ultrassonografia transvaginal para iniciar um novo ciclo de medicações de estímulo ovariano. Nesse sentido, dependendo da resposta e do crescimento folicular, uma nova aspiração será realizada no mesmo ciclo. 

Na prática, o ideal é que a quantidade de folículos antes da 2ª estimulação seja maior ou igual a 1ª estimulação, evitando que o número de óvulos captados seja muito reduzido. Desta forma, nos casos de menor número de folículos antes da segunda estimulação, às vezes o DuoStim não é feito e se aguarda a menstruação para o novo ciclo.

Mas vale destacar que os tratamentos de Reprodução Assistida são definidos de forma individualizada para os pacientes, pois cada protocolo é avaliado criteriosamente pelo especialista.

DuoStim aumenta as chances de gravidez por ciclo?

A resposta é sim. Nesse sentido, como o DuoStim gera uma quantidade maior de óvulos disponíveis para fecundação, consequentemente aumentam as chances de formar mais embriões viáveis. Desta forma, quanto mais embriões de boa qualidade resultarem da FIV, maiores são as chances de implantação e, consequentemente, de gravidez.

DuoStim FIV: entenda a relação

O DuoStim está diretamente ligado à Fertilização In Vitro já que a técnica consiste na fecundação dos gametas em laboratório, fora do corpo da mulher. Nesse sentido, o sucesso do tratamento depende diretamente do número e da qualidade dos gametas disponíveis para formação dos embriões. 

Desta forma, quanto maior o número de óvulos coletados, maiores são as chances de se obter embriões viáveis para serem transferidos ao útero materno. Com isso, aumentam também as possibilidades de se chegar a uma gravidez.

Do mesmo modo, os óvulos decorrentes do DuoStim podem ser criopreservados para preservar a fertilidade feminina. Nesse casos, quando a mulher decide que chegou a hora de ter um filho, os óvulos são descongelados e também fertilizados através da FIV.

DuoStim vantagens e desvantagens 

Como já foi dito, o protocolo DuoStim pode ajudar muitas mulheres a preservarem sua fertilidade e chegar a gravidez quando for o momento certo. Porém, a técnica apresenta vantagens e desvantagens que devem ser avaliadas juntas do médico especialista:

Veja as vantagens e desvantagens do Duostim:

Vantagens DuoStim

  • Aproveitar um único ciclo menstrual para realizar dois recrutamentos em fases diferentes do ciclo;
  • Possível aumento do número de óvulos coletados e consequentemente maior quantidade de embriões;
  • Redução do tempo para alcançar a gravidez. 

Desvantagens DuoStim

  • Ter disposição para dobrar o número de dias de tratamento;
  • Maior quantidade de medicamentos em um mesmo ciclo;
  • Adiamento da transferência embrionária para um ciclo subsequente;
  • Custo mais elevado com medicamentos, novos procedimentos médicos e laboratoriais.

Descubra quais são os exames para realizar a Fertilização In Vitro baixando o nosso checklist gratuito!

Checklist Exames para FIV confira checklist completo