Doenças imunológicas: conheça os diferentes tipos e sintomas para ficar alerta

Você já ouviu falar em doenças imunológicas? Sabe o que são, suas causas, diagnósticos e tratamentos? No texto a seguir vamos conhecer um pouco mais sobre este amplo universo, que engloba diferentes síndromes e doenças autoimunes. 

O que são doenças imunológicas?

As doenças imunológicas ocorrem quando o sistema imunológico ataca e destrói, por engano, tecidos saudáveis do corpo. Ou seja, o sistema imune, que deve defender o corpo, confunde células normais e saudáveis com uma possível ameaça à saúde, causando assim, danos ao próprio organismo, sem motivo real.

Nesse sentido, frente a uma “possibilidade de perigo”, o corpo libera anticorpos que atacam esses componentes de forma equivocada. Além disso, em alguns casos, a capacidade do organismo de combater substâncias verdadeiramente nocivas é prejudicada, deixando o corpo mais vulnerável à infecções e doenças.

O que é sistema imunológico?

O sistema imunológico é o conjunto de órgãos, tecidos e células responsáveis pela proteção do corpo. Desta forma, como um escudo, ele atua no combate a microrganismos invasores (antígenos) como vírus, bactérias, micróbios e outros, impedindo assim o desenvolvimento de doenças. 

Quando um agente invasor entra no organismo, ele gera um mecanismo de defesa. Desta forma, substâncias invasoras são detectadas por células chamadas de macrófagos, que comunicam aos outros componentes do sistema imunológico que há uma invasão. Desta forma, os linfócitos entram em ação produzindo anticorpos que reconhecem as substâncias invasoras e agem contra elas.

Veja como o sistema imunológico é constituído:

Leucócitos

Os leucócitos são células de proteção fabricadas pela medula óssea com a função de defender o organismo contra doenças, infecções e alergias. Também chamados de glóbulos brancos, os leucócitos se dividem em cinco tipos principais: linfócitos, neutrófilos, eosinófilos, basófilos e monócitos. Nesse sentido, cada um desempenha papel diferente na proteção do organismo.

Linfonodos

São pequenos órgãos presentes em diversos pontos do sistema linfático que ajudam o sistema imune a funcionar corretamente. Isto acontece, pois, filtram a linfa, removendo vírus e bactérias que podem representar um risco para o organismo. 

Linfa

É um líquido transparente que circula pelos vasos linfáticos. Formada por linfócitos, a linfa é filtrada pelos linfonodos e lançada no sangue.

Timo

É a glândula responsável pela maturação dos linfócitos. Localizada no centro do peito, entre os pulmões e na frente do coração, também destrói células anormais, infectadas ou estranhas ao organismo.

Amígdalas

Localizadas na parte posterior da boca, acima da garganta, as amígdalas ajudam a desenvolver anticorpos para combater bactérias que invadem o organismo pelo ar ou através de alimentos.

Adenoides

As adenoides são duas pequenas glândulas compostas por tecido linfoide, semelhantes às amígdalas e aos linfonodos, localizadas no fundo da cavidade nasal. Sua função é a produção de linfócitos e anticorpos, ajudando o organismo a se defender de microorganismos que invadem as cavidades nasal e oral.

Baço

O baço é um dos órgãos do sistema linfático com função de defesa do organismo e atuante na circulação do sangue. Nesse sentido, ele filtra o sangue para remover microrganismos, substâncias estranhas e resíduos celulares. Além disso, o baço também produz linfócitos.

Apêndice

Localizado no ceco, primeira porção do intestino grosso, o apêndice é uma pequena bolsa, em forma de tubo, que contém células linfoides, importantes para ajudar o organismo a combater infecções. 

Placas de Peyer

É um acúmulo de linfócitos presente na mucosa do intestino delgado. Ajuda a combater invasores.

Quais são os tipos de doenças imunológicas?

Como vimos, o sistema imunológico deve combater o organismo contra vírus, fungos, bactérias ou substâncias nocivas à saúde como alérgenos e toxinas. Porém, quando há alguma falha, ao invés de proteger o corpo, o sistema apresenta reações autoimunes. 

Veja o que pode desencadear reações autoimunes:

  • Uma substância normal do organismo sofre alteração provocada por um vírus, um remédio, pela luz solar ou pela radiação, entre outros, fazendo com que o organismo não a reconheça mais;
  • Entrada de uma substância estranha, como um alérgeno inofensivo, pode causar uma reação do organismo;
  • Funcionamento inadequado das células que controlam a produção de anticorpos, fazendo com que eles atacam as células saudáveis;
  • Lesão que causa a liberação de uma substância na corrente sanguínea, normalmente encontrada em uma parte específica do corpo.

De acordo com estudos do Instituto Nacional de Ciências da Saúde Ambiental (NIEHS), centro de pesquisa americano, já existiam cerca de 100 tipos de doenças do sistema imunológico detectáveis. Nesse sentido, a gravidade vai depender dos órgãos atingidos e da sua intensidade.

Desta forma, as doenças são divididas em dois grandes grupos:

  • Doenças sistêmicas: são aquelas que não afetam um órgão específico, mas podem atacar vários. São exemplos o lúpus, artrite reumatoide, entre outras;
  • Síndromes locais: de caráter dermatológico, hematológico ou endócrino, atacam um tecido em particular, como é o caso da Tireoidite de Hashimoto e Doença de Chron.

Quais são as doenças imunológicas mais comuns? 

Confira, abaixo, algumas das doenças imunológicas mais comuns:

Artrite reumatoide

A artrite reumatoide é uma doença crônica em que o sistema imunológico ataca as articulações causando inflamação, vermelhidão, rigidez e dor nas articulações.

Lúpus

Chamado também de Lúpus Eritematoso Sistêmico, o Lúpus é uma doença autoimune que causa erupções cutâneas. No entanto, não se trata apenas de uma doença de pele, pois afeta diversos órgãos incluindo os rins, o cérebro, o coração e as articulações.

Esclerose múltipla

A esclerose múltipla ocorre quando o sistema imunológico ataca a mielina, que é o revestimento das células nervosas no nosso organismo. Desta forma, o sistema nervoso é prejudicado, afetando a transmissão de sinais nervosos entre o cérebro e o resto do corpo. 

Por isso, as pessoas com esclerose múltipla geralmente apresentam problemas de equilíbrio, dificuldade de locomoção, fraqueza, dormência, e vários outros problemas.

Doença de Chron

A doença de Chron consiste em uma síndrome intestinal inflamatória crônica que acomete a região inferior do intestino delgado, o intestino grosso ou ambos simultaneamente. Além disso, pode atingir qualquer parte do trato digestivo.

Vitiligo

O vitiligo leva a produção inapropriada de anticorpos e linfócitos T (um tipo de glóbulo branco) contra os melanócitos, as células responsáveis pela produção de pigmentos de nossa pele.

Psoríase

A psoríase, conhecida também como artrite psoriática, é uma doença da pele em que as células epiteliais crescem de tamanho e depois se desprendem. Isso faz com que as células se multipliquem muito mais rápido do que o normal, resultando em excesso que podem formar manchas vermelhas e escamas sobre a pele.

Diabetes tipo 1

A diabetes do tipo 1 é uma doença autoimune em que as células do pâncreas são danificadas pelo sistema imune, fazendo com que o órgão seja incapaz de produzir insulina ou que produza muito pouco. Nesse sentido, a insulina é um hormônio essencial para regular os níveis de açúcar no sangue e a falta dele pode deixar o índice glicêmico constantemente elevado.

Tireoidite de Hashimoto

Na Tireoidite Hashimoto, a produção de hormônios da tireoide é reduzida, causando sintomas como queda de cabelo, fadiga, inchaço na tireoide, sensibilidade ao frio e aumento de peso.

Doença de Graves

Na doença de Graves, o sistema imunológico ataca a glândula tireoide e interfere na produção hormonal. Essa alteração na produção de hormônios pode causar sintomas como batimentos cardíacos acelerados, perda de peso, nervosismo e intolerância ao calor.

Doença Celíaca

A doença celíaca ocorre quando o sistema imunológico ataca o glúten proveniente dos alimentos ingeridos. Assim, pessoas com essa doença não podem consumir qualquer produto que contenha glúten.

Anemia Perniciosa

A Anemia Perniciosa é uma doença autoimune que afeta uma proteína chamada de Fator Intrínseco, responsável por ajudar o intestino a absorver a vitamina B12 presente nos alimentos. A falta de vitamina B12 prejudica a síntese de glóbulos vermelhos, o que por sua vez pode prejudicar a absorção de outros nutrientes e de oxigênio por vários órgãos do corpo.

Síndrome de Sjögren

A síndrome de Sjögren é outra condição de saúde que afeta as articulações e as glândulas que lubrificam os olhos e a boca. Assim, os principais sintomas dessa síndrome são boca e olhos secos, além de dor nas articulações.

Síndrome de Guillain-Barre

A Síndrome de Guillain- Barré é uma doença em que o sistema imune ataca os nervos que controlam os músculos das pernas e parte superior do corpo. Desta forma, as pessoas acometidas por essa síndrome têm fraqueza muscular nessas regiões e outros sintomas que afetam a mobilidade.

Quais são as principais causas das doenças imunológicas?

Não se sabe ao certo porque algo desencadeia uma reação autoimune em uma pessoa e não em outra. Porém, dados indicam que as doenças imunológicas afetam mais as mulheres do que os homens, geralmente na idade fértil entre os 14 e os 44 anos. De acordo com o Núcleo de Estudos de Doenças Auto-Imunes (NEDAI), o conjunto das doenças imunológicas atinge três vezes mais mulheres do que homens. 

Além disso, nota-se também que algumas dessas doenças são mais comuns em grupos étnicos específicos. Nesse sentido, o Lúpus, por exemplo, afeta mais pessoas negras e hispânicas do que os caucasianos.

Já o fator hereditário também pode explicar o desenvolvimento de uma síndrome do sistema imunológico. Nestes casos, a influência genética torna o portador do gene mais suscetível a desenvolver a doença. Ou seja, nessas pessoas, um fator desencadeante como uma infecção viral ou uma lesão tecidual, pode dar origem a doenças.

Vale ressaltar mais uma vez que as doenças imunológicas não têm causas confirmadas. Porém, pesquisadores acreditam que fatores ambientais, inflamações, estresse, dieta inadequada, infecções e exposição a toxinas podem também influenciar na resposta do sistema imunológico. 

Quais são os principais sintomas das doenças imunológicas?

Como já falamos, existem cerca de 100 diferentes doenças imunológicas, e os sintomas variam de acordo com a doença e com a parte do corpo afetada. Porém, alguns sinais são bem característicos e podem levantar suspeita de que há algum problema. Nesse sentido, é importante ficar atento e procurar um médico se notar alguns dos sintomas descritos abaixo:

Inflamações

De maneira geral, as inflamações são sintomas que sugerem uma possível doença autoimune, especialmente quando associadas a dor, deformações articulares, fraqueza e dificuldade respiratória. Desta forma, as inflamações nas articulações podem indicar artrite reumatoide, assim como inflamação na pele, nervos, rins, cérebro, entre outros, podem ser suspeitas de Lúpus

Dor abdominal

A dor abdominal, embora seja um sintoma bastante amplo, pode indicar a presença da Doença de Crohn. Nesse sentido, os principais sinais são: dor abdominal, cólicas fortes e diarreia crônica acompanhada de sangue. Vale lembrar que esse quadro pode durar dias ou até semanas, embora seja comum que apareça em intervalos irregulares ao longo da vida.

Dificuldade de equilíbrio e coordenação

A dificuldade de coordenação e equilíbrio mostram sinais de uma possível esclerose múltipla, doença crônica, neurológica e autoimune. Além disso, as pessoas também podem apresentar tremores, vertigem e instabilidade para caminhar.

Vermelhidão na pele

A vermelhidão na pele, especialmente na face, sobre a ponta do nariz e nas bochechas pode indicar a presença de lúpus eritematoso. Além disso, a vermelhidão na pele em qualquer região do corpo, que evolui para bolhas com pus, pode ser sinal de psoríase pustulosa.

Conheça, na imagem abaixo, alguns sintomas que podem indicar uma doença autoimune:

sintomas de alerta para doenças autoimune

Existe tratamento para doenças imunológicas?

Embora não exista cura para as doenças imunológicas, algumas vezes elas desaparecem inexplicavelmente, da mesma forma como apareceram. Porém, a maioria das síndromes autoimunes são crônicas, e portanto, o tratamento para controlar os sintomas acontecem durante toda a vida. Nesse sentido, cada doença apresenta sintomas específicos, e por isso, a conduta depende de cada caso, e geralmente é feito com uso de medicamentos.

Desta forma, ter um diagnóstico sólido é fundamental para determinar qual o melhor tratamento. Nesse sentido, não existe um exame único para diagnosticar a maior parte das doenças autoimunes, assim, é necessário a realização de alguns testes. 

Nesse sentido, na suspeita de alguma doença imunológica, o médico começa a investigação com o teste de anticorpo antinuclear. Quando o resultado é positivo, indica que há uma doença em curso, mas o exame não é capaz de identificar qual delas é. Por isso, o especialista provavelmente também solicitará exames de sangue para verificar os níveis de inflamação no organismo, além de outros testes que identificam anticorpos específicos.

Vale lembrar que as doenças do sistema imunológico podem atingir diferentes órgãos, tecidos e partes do corpo. Por isso, diversos médicos e especialistas estão aptos a tratar os pacientes, entre eles: 

  • Reumatologistas;
  • Endocrinologistas;
  • Dermatologistas;
  • Gastroenterologistas;
  • Nefrologistas;
  • Neurologistas;
  • Hematologistas;
  • Fisioterapeutas;
  • Terapeutas.

Possuo uma doença imunológica. Terei dificuldades para engravidar?

A relação entre doenças imunológicas e infertilidade é algo cada vez mais reconhecida, especialmente nos casos de dificuldade para engravidar sem motivo aparente. Nesse sentido, sabe-se que cerca de 10 a 15% dos casais que desejam ter filhos sofrem de infertilidade, sendo que desses, pelo menos 10% têm causas desconhecidas. 

Desta forma, tentativas de achar respostas para a infertilidade inexplicada tem avaliado o papel da imunidade na falência reprodutiva. Nesse sentido, doenças como Tiroidite Autoimune, Lúpus Eritematoso Sistêmico e Síndrome Antifosfolipídico vem sendo investigadas e mostram possíveis associações com a falência da reprodução. 

Assim, estudos indicam que o fator imunológico pode influenciar mecanismos da reprodução como a falência ovárica prematura, implantação embrionária e abortos de repetição. Além disso, pode causar insucesso nas tentativas de gravidez espontânea, na Inseminação Intrauterina e na Fertilização In Vitro

Por tudo isso, é possível que a mulher portadora de doença autoimune, dependendo da síndrome, tenha mais dificuldades para engravidar, mas isso não quer dizer que não aconteça. Nesse sentido, é importante conversar com o especialista e seguir todas as orientações para tratar e controlar o problema. Felizmente, hoje em dia já existem tratamentos para a infertilidade que possibilitam uma gravidez à mulher com doenças imunológicas.

Quem tem HIV pode ter filhos? Descubra a resposta a essa pergunta baixando o nosso e-book gratuito!

ebook Dezembro Vermelho: Quem tem HIV pode ter filhos