5 mitos sobre a doação de óvulos

O assunto ovodoação pode parecer complexo e desenvolver uma série de dúvidas nas pessoas que querem apenas entender mais ou desejam fazer o procedimento.

Desta forma, para desconstruir possíveis mitos que envolvem esse tema e deixar você mais tranquila quanto a confiabilidade do processo, resolvemos escrever um texto para te ajudar a descobrir todos os detalhes sobre a ovodoação.

Desejamos uma excelente leitura!

O que é a doação de óvulos?

A doação de óvulos, também conhecida como ovodoação, é um procedimento em que uma mulher recebe óvulos de uma doadora. Esse método possibilita às mulheres que não conseguiram engravidar naturalmente, que realizem o sonho de formar uma família. 

O processo acontece quando os óvulos de uma doadora se juntam aos espermatozóides do casal que irá receber a doação. A partir da Fertilização in Vitro, os óvulos são transferidos para a mãe que recebe esse tratamento, podendo assim engravidar. 

Os óvulos que são doados para a mãe anteriormente ao processo de serem introduzidos no útero materno, passam por um procedimento rigoroso e criterioso de avaliação quanto à compatibilidade que doadora e receptora têm em relação ao material genético. 

Para que o processo aconteça com o máximo de segurança possível, é de extrema importância procurar por clínicas e equipes médicas especializadas no procedimento e que priorizem o bem-estar das pacientes.

5 mitos sobre a ovodoação

Mesmo sendo um procedimento altamente seguro e eficaz, a doação de óvulos pode trazer algumas dúvidas para as pessoas que ainda não conhecem muito bem o procedimento.

Essas dúvidas podem levar as pessoas a tirarem conclusões precipitadas sobre o assunto e sem saber como desconstruir uma série de mitos que se formam sobre a doação, acabar desistindo antes de começar. 

Por isso, nesse tópico vamos falar sobre quais mitos são esses para esclarecê-los da melhor forma possível. Confira abaixo. 

1. Apenas mulheres acima dos 40 anos podem receber doação de óvulos

Um grande mito. Mulheres que não produzem óvulos ou produzem com qualidade insuficiente para iniciar uma gravidez natural podem receber o tratamento, desde que estejam acima dos 18 anos. 

Além disso, mulheres que serão mães solteiras ou que fazem parte de uma união homoafetiva também podem se candidatar a receberem a doação de óvulos. 

2. A doadora terá acesso à mãe receptora

Mito. É previsto por lei que a doadora não terá sua identidade revelada, assim como a mãe que receberá a doação de óvulos. 

Isso permite que ambas tenham a segurança que precisam para o procedimento, impedindo também que a doadora tente reconhecer algum direito sobre o filho gerado pela mãe receptora. 

3. Receber óvulos faz a mulher “menos mãe” da criança

Um dos mitos que mais trazem receio às mulheres que estão em tratamento. Receber óvulos doados não faz uma mulher menos mãe. 

A mãe será responsável por carregar e desenvolver a criança dentro de seu útero, além de cuidar da aprendizagem de seu filho. 

A recepção de óvulos é um pequeno estágio para que o sonho de uma mãe se torne realidade, mas sem tirar jamais o papel da mulher na maternidade. 

O material genético do óvulo doado também não altera em nada o papel da mãe e também não transfere características da mulher doadora para o bebê.

4. A doação de óvulos é paga

A mulher que deseja fazer doação de óvulos deve realizar a contribuição de forma altruística, ou seja, sem fins lucrativos e com o objetivo de ajudar outras mulheres a realizarem o sonho da maternidade. 

Por lei, a doação de óvulos que não acontece de forma espontânea, isto é, quando a mulher recebe algo por isso, é proibida em território nacional. 

5. Apenas a doação de óvulos é possível para que a mulher se torne mãe

Não necessariamente. A doação de óvulos é uma das possibilidades para que a mulher se torne mãe. 

Em caso de esterilidade, ou seja, onde a mãe não consegue gerar um filho a partir do próprio organismo, a mãe pode optar pelo gesto de adoção e realizar o seu sonho de formar uma família. 

Mais sobre doação de óvulos

O procedimento de doação de óvulos envolve leis e alguns requisitos obrigatórios para que ocorra da forma mais segura, tanto para a futura mãe, quanto para a doadora. 

Por isso, para dar continuidade ao assunto, indicamos a leitura do post “Entenda como funcionam as regulamentações e a legislação da doação de óvulos no Brasil” para que você saiba ainda mais sobre quais as regras que regem a ovodoação.

Esperamos que goste!

Considerações finais

A doação de óvulos é um procedimento que ainda levanta muitas questões sobre como deve ser feito ou se é seguro. 

Nem sempre essas dúvidas são respondidas por verdadeiros especialistas na área, o que pode gerar muitos mitos sobre o assunto ou até fazer com que algumas mulheres não confiem totalmente no procedimento. 

Porém, isso é uma realidade que cada vez mais fica para trás. Com a desconstrução das conclusões precipitadas por meio da disseminação de informações, fica muito mais simples de entender como a doação de óvulos tem permitido que o sonho de milhares de mães se torne realidade. 

Se você achou que o nosso post ajudou você, clique aqui e complemente seus conhecimentos com as melhores técnicas de medicina reprodutiva do Brasil.

O nosso compromisso maior é gerar possibilidades para a vida.